Gestalt: o que é e como você é influenciado por ela toda hora!

Para se tornar um bom profissional de design você precisa estar em constante atualização sobre softwares e técnicas diversas. Nosso trabalho está diretamente ligado com a percepção que o outro tem daquilo que criamos.

Tanto que uma comunicação bem feita e um design aplicado de forma correta é medido pela sua eficiência em despertar a emoção e atenção do espectador com a mensagem que você deseja passar a ele.

Umas das técnicas usadas por nós, designers, e que é muito efetiva na criação dessa aproximação entre objeto e espectador é a Gestalt.

Mesmo sem saber, você pode ter inconscientemente usado algumas técnicas da Gestalt em seus projetos de UX Design, UI Design, etc.

Esse uso inconscientemente deve-se ao fato de que a Gestalt é um movimento tão difundido no comportamento humano que o seu uso é inerente a experiência de cada um. Mas seu uso só se torna eficaz à medida que você conhece o público que consome o seu produto, você pode influenciar a percepção dele pois tem conhecimento sobre suas experiências analisando o contexto no qual está inserido.

A origem da Gestalt

A Gestalt surgiu do estudo da percepção humana em relação às formas, a existência de padrões de comportamento visual que o ser humano tem. Esses padrões compõem a base para as Leis da Gestalt. Essa ciência defende que, para se compreendermos as partes de uma forma, é necessário antes, entender o todo que o envolve e o compõe.

Este movimento conhecido como Psicologia da Gestalt, também pode ser chamado de Psicologia da forma, Gestaltismo ou simplesmente Gestalt. Foi criado pelos psicólogos alemães Max Wertheimer (1880-1943), Wolfgang Köhler (1887-1967) e Kurt Kurt Koffka (1886-1940), nos princípios do século XX.

Como a Gestalt tem influência no design que criamos?

É com base nas aplicações dos conceitos da Gestalt que conseguimos transmitir informações e influenciar o comportamento de nosso público. O designer pode então criar expressões visuais (imagens e vídeos) focadas naquilo que ele deseja que o seu espectador faça. Ou que espere que ele faça. Nem tudo são flores no comportamento humano 😛

Propriedades dos elementos formadores da Gestalt

A maneira mais comum e primária de um indivíduo entender do mundo que o cerca é por intermédio do conhecimento das formas geométricas e dimensões espaciais. A partir do conhecimento de cada um dos elementos que compõem o espaço que o circunda, o indivíduo é capaz de fazer associações para entender conceitos visuais mais complexos.

Esses conceitos vão sendo criados de acordo com a nossa experiência de vida, nosso cérebro vai guardando essas informações e nosso córtex deixa isso cada vez mais enraizado em nosso comportamento.

Os 4 principais elementos formadores dessa unidade espacial são: ponto, linha, plano, volume.

Ponto e linha - Conceitos de Design • Gestalt

Ponto

É a unidade gráfica mais simples de linguagem visual. O ponto serve como centro de qualquer representação visual e serve como base para outros elementos que sejam adicionados a ele.

Na Gestalt, o ponto é considerado como qualquer elemento, independente de ser redondo ou não, e que funcione como centro de atração visual dentro de uma composição visual.

Linha

É o elemento de ligação entre dois pontos. Com base em sua trajetória é que temos a sensação de movimento. A linha conforma, contorna e delimita objetos e coisas de modo geral.

Plano e Volume - Conceitos de Design • Gestalt

Plano

É um conjunto de linhas. Com base na união das linhas é possível criamos um espaço bidimensional entre os eixos X e Y.

Volume

É a utilização de vários planos nos eixos X, Y e Z. Conseguimos aqui exprimir as três dimensões dos objetos, aumentando a sensação visual do espectador.
Atributos dos elementos da Gestalt.

Formato, textura e cor - Conceitos de Design • Gestalt

Formato

É a aplicação da forma em um objeto. Temos alguns exemplos como linha tracejada, linha curva, linha reta.

Textura

É a superfície de uma determinada forma. Conseguimos transmitir a ideia da superfície mesmo em elementos bidimensionais.

Cor

É uma das características mais usadas por nós, designers, da Gestalt. Por meio dela podemos destacar ou rebaixar um objeto, criar divisões entre formas, etc.

Tamanho

Apesar de usarmos os 3 eixos dimensionais é por meio do tamanho que conseguimos expressar o quanto cada elemento tem de massa. Conseguimos estabelecer a relação de importância entre elementos.

E como toda essa sopa de conceitos funciona, de forma efetiva, em nossas criações?

Agora que já conhecemos os elementos e como cada um funciona entre si, precisamos falar sobre a aplicação deles. É com base nas leis da Gestalt que faremos isso.

São um total de 8 as leis de aplicação da Gestalt: Unidade, Segregação, Unificação, Proximidade, Semelhança, Fechamento, Continuidade e Pregnância da Forma.

Lei da Unidade • Gestalt

Lei da Unidade

É com base na lei da unidade que conseguimos enxergar o todo mesmo que tenhamos em foco uma pequena parte dele. A união de elementos menores consegue formar a imagem do objeto total.

É uma das leis mais usadas em comerciais e anúncios criativos. Como você pode ver abaixo:

Lei da Unidade • Gestalt

Lei da Segregação • Gestalt

Lei da Segregação

Como o nome já diz, é a diferenciação de um elemento em uma composição, seja por meio de: cor, formato, sombra, textura, etc.

Gestalt - Lei da Segregação

Layout do Nubank onde temos o nível de graduação das aplicações financeiras.

Gestalt - Lei da Segregação

Lei da Unificação • Gestalt

Lei da Unificação

A unificação ao contrário da segregação não visa o destaque de um elemento mas sim a união e simetria de elementos de diferentes formas entre si. O que importa aqui não é a unidade do elemento e sim como todos os elementos se comportam para gerar uma estrutura maior ao qual pertencem.

Logo dos jogos Olímpicos e Paralímpicos do Japão usam a desconstrução dos elementos de forma a gerar uma simetria entre si.

Gestalt - Lei da Unificação

Lei da Proximidade • Gestalt

Lei da Proximidade

De acordo com a Gestalt, elementos separados mas próximos uns dos outros tendem a ser interpretados no nosso cérebro como pertencentes a um elemento só.

Gestalt - Lei da Proximidade

Os filtros à esquerda em um e-commerce separam os produtos de um mesmo grupo facilitando a comparação entre elementos semelhantes quanto ao seu uso.

Gestalt - Lei da Proximidade

Lei da Semelhança • Gestalt

Lei da Semelhança

Objetos com formato, cores ou características similares são interpretados como pertencentes a um grupo.

Gestalt - Lei da Semelhança

Aqui vemos a clara utilização da lei da semelhança da Gestalt. Apesar dos formatos das bolas de bilhar serem o mesmo, pela cor conseguimos distinguir o líquido da espuma da representação do copo de cerveja. Por semelhança associamos que as bolas amarelas são o líquido e as brancas, o colarinho.

Lei do Fechamento • Gestalt

Lei do Fechamento

Nosso cérebro consegue associar formas e imaginar objetos somente pela menção de uma parte deles. Através da silhueta é capaz do cérebro interpretar qual o objeto mesmo que este não tenha dimensões delimitadas de forma clara.

Gestalt - Lei da Fechamento

A Lei do Fechamento da Gestalt é uma das leis mais usadas em campanhas publicitárias e em logos de empresas famosas. Por meio dela conseguimos colocar um tom mais criativo e sentimental à imagem. Não é recomendado que se faça uso dela para peças em que o significado e entendimento do espectador tenha que ser imediato.

Lei da Continuidade • Gestalt

Lei da Continuidade

Essa lei da Gestalt trata de como uma sequência de objetos dispostos em uma sequência gradativa seja de formato, cor, volume, etc é interpretada como um elemento só.

Essa lei é muito usada por arquitetos famosos como Oscar Niemeyer para dar linhas e formas aos seus projetos.

Lei da Continuidade * Gestalt aplicada ao Design

A catedral de Brasília é um dos exemplos em que Oscar Niemeyer usa de forma simples a lei de continuidade da Gestalt.

Lei da Continuidade * Gestalt aplicada ao Design

O Palácio da Alvorada é um outro exemplo. Os elementos curvos formam uma linha contínua na fachada do prédio. Note que com o reflexo na água essa sensação é ampliada.

Lei da Pregnância • Gestalt

Lei da Pregnância da Forma

Quanto maior a capacidade de leitura de um objeto maior a sua pregnância. É dessa forma que a lei da pregnância se firma como uma das principais leis da Gestalt.

Maior pregnância

Lei da Pregnância * Gestalt aplicada ao Design

Simplesmente ao olhar o anúncio fica claro para o espectador qual a empresa e o produto que está sendo vendido. Em segundo plano vem a forma dos objetos a fim de reforçar a primeira mensagem. Por final temos as cores que nos remetem por experiência aos Simpsons.

Menor pregnância

Lei da Pregnância * Gestalt aplicada ao Design


Bibliografia para essa matéria:

Gestalt do ObjetoSistemas de Leitura Visual da Forma – João Gomes Filho Ed. Escrituras
Creative Bloq — The designer’s guide to Gestalt Theory
Design Principles: Visual Perception And The Principles Of Gestalt
Sintaxe da Linguagem Visual – Donis A. Dondis

Maurício Faccin Dec

Sou designer digital de formação e atuo no mercado digital há 20 anos. Já passei por empresas grandes como Veja, Editora Abril, Canal Ideal e Rede Bandeirantes. Trabalhei com clientes de todos os portes e minha meta atual é inspirar pessoas a oferecer serviços diferentes e que melhorem a vida de seus clientes.

Deixe uma resposta